Cursos 24 Horas - Ensino a Distância

domingo, 27 de julho de 2008

Amazônia: Um Grande Vazio Demográfico?

Segue abaixo os dados da população da Região Norte estimados pelo IBGE (2007):

Acre: 655.385
Amapá: 587.311
Amazonas: 3.221.939
Rondônia: 1.453.756
Roraima: 395.725
Pará: 7.065.573
Tocantins: 1.243.627
TOTAL: 14.623.316

Será mesmo que uma região com mais de 14 milhões de pessoas pode ser considerada um grande "vazio demográfico?"

Uma pergunta melhor seria "Por que insistir na idéia de um vazio demográfico para a Região Amazônica?". O descaso histórico do Governo Federal pela Amazônia é público e notório. É quase um atestado de incapacidade e de vontade para conhecer uma área do território nacional. Os argumentos para esse desconhecimento são vários: o acesso difícil, a grande extensão da área, a falta de pessoal local para estudar sua própria região...

E já que nós mesmos não conhecemos e achamos q não há nada lá, fica largada, à mercê do interesse econômico internacional. Várias e várias espécies da flora amazônica são muito mais conhecidas e estudadas por multinacionais do que por instituições brasileiras.

Acaba ficando claro que a idéia de vazio demográfico serve ao interesse econômico internacional. O nativo da região é seu profundo conhecedor, mas não tem voz ativa no cenário local e muito menos global. Eidorfe Moreira, Geográfo paraense autor de várias obras nas décadas de 50 e 60 afirmava que não havia habitantes suficientes na Região Amazônica para o seu pleno conhecimento. Naquela época, até poderia ser, mas hoje em dia, é inadimissível.

Cada vez mais surgem trabalhos científicos voltados para a Região e mesmo assim esse conhecimento que vem sendo produzido continua subvalorizado, sem o devido reconhecimento e aplicação. Mão-de-Obra especializada, que era um dos grandes problemas da Região, está sendo formada. Resta saber quando se dará a valorização dessa Região. Não a valorização que a comunidade internacional já dá à Amazônia (ainda que com viés econômico), e sim a valorização da população do restante do país.

Ser "o pulmão do mundo" (o que é um equívoco grande), ou "a maior floresta tropical do mundo" já não basta. É preciso verdadeiramente se conhecer a Região. A população brasileira precisa enfim conhecer a Amazônia, pois parece que só assim, finalmente serão colocadas em prática políticas de valorização e não essas políticas de "coisificação" que são normalmente postas em prática.

Conhecer para valorizar. Essa é a idéia!

Um comentário:

Anônimo disse...

Amigo, a Amazônia mais do que nunca tem sido tratada como a Sibéria brasileira. Há várias "Sibérias" espalhadas no mundo, mas todas as outras se devem a razões puramente físicas (desertos por aridez, desertos por altitude, por gelo...). As razões físicas que provocaram a desertização da Amazônia passaram a poder ser superadas com o avanço tecnológico. Só que, depois do Clube de Roma e a ideologia ecológica "purista" a la "Avatar", essa ideia soa como heresia no século 17. A propósito, a Amazônia é um deserto sim, apesar dos 14 milhões de habitantes, porque ainda assim possui uma densidade baixíssima, principalmente se considerarmos a característica de poucas ilhas superpovoadas em meio a imensas superfícies despovoadas (até mesmo por indígenas).